quarta-feira, 31 de março de 2010

DEBATES COM ESPECIALISTAS NACIONAIS ENCERRA O 1˚CONGRESSO INTERNACIONAL DO LIVRO DIGITAL

(foto de Cleo Velleda)

            O último dia do 1˚ Congresso Internacional do Livro Digital foi reservado para especialistas nacionais. Duas mesas de debates, uma palestra com Silvio Meira e a apresentação de uma pesquisa sobre  livros e conteúdo digital encerraram o evento, considerado pela organização e pelos presentes como um grande sucesso. Ao longo de 3 dias, 588 pessoas passaram pelo auditório do Hotel Maksoud Plaza. O evento reuniu palestrantes de diversas partes do mundo como Colômbia, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha.

            O dia começou com o debate: "O futuro do livro no Brasil". Participaram Sérgio Valente (agência DM9DB) Fredric Litto (Fundação Brasileira de Educação a Distância), Aníbal Bragança e Cláudio de Moura Castro (professores universitários especialistas em livros). Todos apontaram a necessidade do livro se reinventar. Anibal abordou que  cada vez haverá maior oferta de produtos culturais e que a diversidade vai caracterizar nosso tempo. Fredric Litto opinou que ainda não existe um padrão dominante para livros digitais e que textos digitais gratuitos ou baratos crescerão, mas não os textos que precisem de intervenções, como tradução.

             Sérgio Valente sugeriu que o livreiro passasse a se chamar "conhecimenteiro". Ele falou sobre uma pesquisa de Internet  que mostra o brasileiro acessando em média 23 horas por mês. Outro dado é que no Brasil, 66 milhões usam a Internet sendo 30 milhões em Lan Houses. Sérgio encerrou dizendo ¨Papel e tinta são meios, o conhecimento é o fim. Nada acaba com nada, tudo se redefine¨. Já Claudio de Moura Castro revelou que esteve nos EUA e que por lá, o livro digital emplacará por uma questão econômica.


            Na sequência foi divulgada uma pesquisa sobre o hábito do consumidor de conteúdo digital  (acesse este post para ler mais a respeito disso). No período da tarde aconteceu a mesa de debates:  "E o Brasil no contexto digital?". Participaram Jorge Carneiro (editora Ediouro), Marcílio Pousada (Saraiva) e Guy Gerlach (Pearson Education). Marcílio disse que sua editora está investindo, mas ainda não sabe o tamanho do mercado de livros digitais, hoje ainda  pequeno. Mas para ele, em 10 ou 15 anos  o mercado  estará digitalizado, sem uma plataforma única ou dominante. Marcílio crê que em algum momento as editoras terão que dar algo de graça ao consumidor.


             Para Guy Gerlach, antes o editor decidia o que publicar e agora tem que produzir o que o consumidor está pedindo. "A importância das editoras será preservada, mas com mudanças significativas do modelo de negócio". Em outra parte da palestra  Gerlach disse que pela 1ª vez a fotocópia está ameaçada devido ao mercado digital. Jorge Carneiro acredita que com o livro digital mais pessoas poderão ter acesso ao mundo literário e escolher entre mais conteúdos.

            No encerramento do Congresso, Silvio Meira fez uma palestra sobre Literatura Digital: o passado recente e o futuro próximo, vistos de um presente confuso. Silvio acredita que nos próximos 20 anos a capacidade de transmissão e processamento de informação vai aumentar um milhão de vezes e todo conteúdo será serviço com um valor agregado. Para ele "rede é o nome do nosso jogo. Não é o livro ou o leitor".

 (foto de Cleo Velleda)


A Câmara Brasileira do Livro agradece a todos pela divulgação nos últimos 2 meses do 1˚Congresso Internacional do Livro Digital.


Mais informações com a jornalista Gloriete Treviso (11-9174-9174)

3 comentários:

  1. correção: onde se lê UM MILHAO, leia-se UM BILHAO!...

    silvio meira

    ResponderExcluir
  2. não estou achando os slides da palestra !!

    ResponderExcluir
  3. Onde estão os slides da Palestra? :S

    ResponderExcluir